domingo, 4 de maio de 2008

O poder das escolhas

É ordinário dizer que a vida é feita de escolhas. Mas, talvez por ser essa uma verdade de uma ordinariedade tão sutil que não percebemos que ela nos invade o tempo inteiro, distribuindo tapas com luva de pelica bem no meio de nossas caras. Nós passamos por escolhas que se alternam entre simples e complexas, e daquelas a estas, todas têm o seu valor e a sua influência em nossas vidas. Como por exemplo, o dia que você escolheu sair de sapato verde no lugar do preto e elogiaram o seu bom gosto; ou o dia em que não entrou no carro daquele amigo que capotou na estrada.
Nunca saberemos com exatidão o produto das escolhas as quais somos obrigados a tomar, mas, tal qual remédio, temos que tomá-las, ainda que não gostemos. Sábias escolhas são atribuídas às pessoas que têm uma idade avançada, mas acredito que a tal associação casa melhor às que têm caráter. Na maioria das vezes é fácil tomar decisões. Difícil é arcar com suas conseqüências. Tendemos a pensar nas coisas a curto prazo, mas determinados acontecimentos se enraizam, e vão se atrelando à nossa história como uma teia indissolúvel. Nada que se faz em vida escapa-se do julgamento das pessoas, infelizmente. Quando você toma uma escolha precipitada, você imprime nela a sua personalidade, e independente do que se seguirá, sua atitude será vinculada ao seu ser sempre.
Às vezes pensamos que não, mas escolhas que agora não nos soam bem - ou soam amargas - talvez acarretarão em um bem ainda inimaginado. Exemplar, minha melhor amiga sofreu um terrível acidente e mudou-se para outra região. A princípio, a adaptação foi dolorosa - tanto para ela quanto para mim - mas no fim, quando a visito, é de encher o meu coração de felicidade ver nos olhos dela a empolgação outrora extraviada num momento de escuridão parcial. Certos eventos na vida vão nos inclinando para escolhas que não queremos, mas que, a logo prazo, podem verter-se em sucesso e prosperidade.
Se nunca saírmos do muro, nunca saberemos se teria sido bom, ruim, melhor ou pior. A estaticidade e a indiferença (nesse aspecto) são sentimentos covardes, e mantê-los é um fiel atestado de moléstia psíquico-voluntária.
O recado está dado. Agora, se me dão licença, preciso ir, pois ainda preciso escolher com qual roupa saio amanhã.

3 comentários:

Mariana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mariana disse...

�timo texto, Ana! Maravilhoso! Parab�ns!
Acho que devemos prestar mais aten�o a nossas escolhas porque acabamos n�o dando a devida import�ncia e perdendo a oportunidade de n�o errar na pr�xima ocasi�o.
Vou escolher meu ch�. ;)
beijobeijo!

www.chadesaquinho.wordpress.com

be disse...

華麗夢想,
夢世界,
酒店經紀,
酒店工作,
酒店上班,
酒店打工,
禮服酒店,
禮服公關,
酒店領檯,
華麗夢想,
夢世界,
酒店經紀,
酒店工作,
酒店上班,
酒店打工,
禮服酒店,
禮服公關,
酒店領檯,
華麗夢想,
夢世界,
酒店經紀,
酒店工作,
酒店上班,
酒店打工,
禮服酒店,
禮服公關,
酒店領檯,
華麗夢想,
夢世界,
酒店經紀,
酒店工作,
酒店上班,
酒店打工,
禮服酒店,
禮服公關,
酒店領檯,
華麗夢想,
夢世界,